Sabia que na Índia existe um ritual no qual as pessoas jejuam até a morte?


Você já ouviu falar do jainismo? Trata-se de uma das religiões mais antigas do mundo, e a maioria dos fieis está concentrada na Índia. Um dos atos mais controversos de quem pertence ao jainismo é fazer jejum até a morte.

Esse tipo de prática radical se dá porque os fieis acreditam que a fome pode os conduzir até o estado conhecido como Moksha, que nada mais é do que a oportunidade de fugir de conceitos relacionados à morte e à reencarnação. Morrer de fome seria, portanto, uma espécie de “liberação da alma”.

Todos os anos, milhares de fiéis fazem o juramento de fome, sendo que alguns deles são monges, mas a maioria é formada por leigos. A prática é ainda mais comum entre as mulheres – cerca de 60% dos participantes – por isso, há quem acredite que elas são mais religiosas do que os homens.
Juramento

Entre os participantes do juramento estão muitas pessoas doentes, que estão prestes a morrer. Ainda assim, há fiéis saudáveis que escolhem morrer de fome. Para você ter mais noção com relação aos números, em 2009, 550 pessoas fizeram o juramento de fome na Índia.

A monja Sadhvi Charan Pragyaji foi quem conseguiu aguentar mais dias sem comer – ela morreu aos 60 anos de idade depois de ficar 87 dias em jejum absoluto. Durante esse período, a religiosa recebeu a visita de mais de 20 mil seguidores, afinal sua morte foi um processo público. Em certo momento, as pessoas eram avisadas de que poderiam vê-la morrer durante as últimas visitas.

Um desses casos acabou fazendo parte do programa Tabu, da National Geographic – você pode assistir a alguns trechos clicando aqui. Lembre-se de que as imagens podem ser consideradas fortes: elas mostram o momento exato da morte de uma religiosa, cercada de outros fiéis, extremamente magra, pálida e fraca.

A maioria dos fiéis presentes na morte da religiosa são mulheres, que a seguram nos braços e passam as mãos sobre ela a todo momento. No mesmo cômodo há alguns homens também, sendo que entre eles há uns sem roupa, que permanecem rezando ao redor da pessoa que está morrendo. A morte da fiel é silenciosa e seguida das lágrimas dos que a cercavam.

Religião ou suicídio?

A ação começou a ser questionada há alguns anos, e há quem acredite que ela deve ser banida e considerada suicídio. Por outro lado, os fiéis argumentam que a prática religiosa é garantida pela Constituição indiana. O documento diz que “cada seção de cidadãos tem uma cultura distinta e deve ter o direito de conservá-la”.

Os fieis acreditam também que a prática é normal e deveria ser tratada com respeito, alegando que é injusto comparar o sacrifício com o suicídio, afinal as pessoas têm a liberdade de desistir do sacrifício e continuarem vivendo, se assim desejarem.

Por outro lado, ainda que a Constituição aborde a liberdade de crença religiosa, a lei do país é clara com relação ao suicídio. Nesse sentido, o argumento é o de que deixar o fiel em jejum constante acaba o colocando em uma situação de ostracismo e negligência, o que torna a atitude uma questão além do livre arbítrio. Por isso, em alguns casos, autoridades intervieram e chegaram a obrigar alguns fiéis a comer.

A prática foi comparada com o Satí, ritual no qual as viúvas se jogam no fogo durante a cerimônia de funeral de seus maridos – nós falamos sobre o Satí e outras práticas culturais perturbadoras nesta publicação. O Satí já é banido na Índia, e esse exemplo tem sido usado para tentar acabar com os juramentos de fome também. E aí, você já conhecia esse tipo de ritual? Acha que ele deveria ser proibido ou que a tradição religiosa deve ser mantida?
Fonte: Mega Curioso

João Filho

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.