Testes apontam que papiro com evangelho sobre a esposa de Jesus é autêntico

Cientistas afirmam que antigo documento polêmico não traz qualquer evidência de falsificação.

Em 2012, o anúncio sobre a descoberta de um papiro do século IV reacendeu a velha discussão sobre o possível “estado civil” de Cristo. O documento ficou conhecido como Evangelho da Esposa de Jesus, e se trata de um fragmento do tamanho aproximado de um cartão de visitas contendo um texto em copta — um antigo idioma utilizado no Egito por volta do século 3 — que sugere que o Nazareno teria sido casado com Maria Madalena.
O texto em questão conta com algumas palavras cuja tradução significa “Jesus disse a eles, minha esposa...”, e outro trecho diz ainda “Ela poderá ser minha discípula”. Evidentemente, o conteúdo do papiro dividiu opiniões na época, e muitos levantaram a hipótese de que se tratava de uma falsificação.
Reacendendo a polêmica
Agora, de acordo com o The New York Times, a Harvard Divinity School acaba de jogar ainda mais lenha na fogueira, afirmando que testes conduzidos com o antigo artefato revelaram que o documento provavelmente seja autêntico. Segundo a matéria, análises científicas realizadas com o papiro e a tinta utilizada, bem como a verificação da gramática e da grafia, demonstraram que se trata de um artefato antigo.


Os testes envolveram o uso de uma técnica chamada Micro-Raman e da espectroscopia de infravermelho, e os resultados apontaram que o carbono presente na tinta com a qual o texto foi redigido é condizente com a de outros papiros datados entre os séculos 1 e 8. Além disso, pesquisadores envolvidos nas análises afirmaram que não foi possível encontrar qualquer tipo de evidência de que o documento tenha sido forjado.
Ainda restam dúvidas?

E mais uma vez, como era de se esperar, apesar dos resultados — aparentemente irrefutáveis — apresentados depois das análises científicas, já existem pesquisadores contestando as alegações. Entre eles está Leo Depuydt, professor de Egiptologia da Universidade Brown, nos EUA. Segundo ele, além de o papiro trazer erros grosseiros de gramática, a frase “minha esposa” parecer ter sido escrita em negrito, deixando bastante óbvio que o documento é uma farsa.

Portanto, assim como aconteceu em 2012, quando a descoberta do papiro foi anunciada pela primeira vez, o debate sobre o possível casamento de Jesus — assim como a respeito de questões sobre o celibato entre os padres e o papel das mulheres na igreja — volta a entrar em pauta. E novamente, tudo parece indicar que a controvérsia sobre o assunto continua muito, muito longe de terminar.
Fonte: Mega Curisos

João Filho

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.