5 doenças sinistras e que ainda são incuráveis

Saiba mais sobre algumas enfermidades para as quais não existe tratamento médico.

Apesar de todos os avanços que já ocorreram na Medicina e das muitas doenças que já foram erradicadas, ainda existem outras tantas por aí que continuam sem cura — isso sem falar nas enfermidades que seguem sendo pouco conhecidas. A seguir você pode conferir uma lista com cinco patologias sinistras que, apesar dos esforços de milhares de cientistas, continuam sem tratamento após o contágio:
Fonte: Mega Curioso
1 – Creutzfeldt-Jakob

A Creutzfeldt-Jakob é uma doença degenerativa rara e fatal provocada pela transmissão de uma proteína chamada príon. Ela afeta o sistema nervoso central e provoca tremores, perda de memória, convulsões, paralisia facial — dando a impressão de que o doente está sempre sorrindo —, problemas motores e rigidez muscular. A incidência da Creutzfeldt-Jakob é de 1 em cada milhão de habitantes, e ela costuma afetar pessoas entre os 40 e 70 anos de idade.

Descrita pela primeira vez na década de 20 por neurologistas alemães, ainda não existe uma cura para a doença de Creutzfeldt-Jakob, e os afetados costumam falecer após um ano do surgimento dos sintomas. Uma nova variante desse distúrbio — capaz de atingir vítimas muito mais jovens — foi reconhecida por cientistas britânicos na década de 90, e ficou popularmente conhecida como “a doença da vaca louca”. Você se lembra dela?

2 – Lúpus eritematoso

O lúpus é uma doença autoimune que provoca a inflamação de várias partes do corpo e da qual existem três tipos conhecidos — o discoide, o sistêmico e o induzido por drogas. A primeira variedade afeta apenas a pele e provoca o surgimento de erupções cutâneas no rosto, couro cabeludo e pescoço. Cerca de 10% das pessoas que sofrem de lúpus discoide evoluem para o tipo sistêmico, que é o mais comum e pode afetar qualquer órgão ou estrutura do corpo.

O segundo tipo da doença costuma afetar principalmente a pele e as articulações, assim como o trato gastrointestinal, os rins, o coração e o sangue. A terceira variedade — induzida por drogas — aparece em decorrência do uso de determinados medicamentos, e os sintomas são parecidos aos do lúpus sistêmico. Entre os sintomas, além das erupções cutâneas, estão o surgimento de úlceras na boca e manchas avermelhadas pelo corpo, dores e mal-estar.

3 – Raiva

Embora a raiva seja tratável caso o atendimento seja realizado imediatamente após o contágio, depois que a doença se instala a cura é extremamente rara e a doença é fatal. Trata-se de uma infecção viral que afeta o sistema nervoso transmitida através da mordida de um animal — mamífero — portador do vírus.

É bastante difícil que humanos contraiam a raiva, mas, quando isso ocorre, os principais sintomas são mudanças comportamentais, hipersensibilidade a determinadas faixas sonoras, fotofobia ou aversão à luz, pânico de ficar exposto ao ar livre, hidrofobia, ou seja, pavor de água e outros líquidos, e o desenvolvimento de uma capacidade de olfato muito aguçada.

4 – Ebola

Apesar de os casos de pessoas infectadas pelo ebola serem bem raros, desde que o vírus foi descoberto no Zaire — atual Congo — em 1976 já foram registradas epidemias que resultaram na morte de centenas de doentes. A enfermidade é infecciosa e transmitida pelo contato direto com o sangue e outras secreções, e os sintomas incluem febre alta, dor de cabeça, falta de apetite e conjuntivite, progredindo para náuseas, diarreia e profundas hemorragias.
Isso ocorre porque o vírus se multiplica nas células do pulmão, baço, fígado e tecido linfático — onde causa grandes danos —, provocando posteriormente a destruição das células que revestem os vasos sanguíneos. O índice de fatalidade é de 50% a 90% dos casos, e o ebola ainda não tem vacina ou cura conhecida.

5 – Poliomielite

Conhecida popularmente como paralisia infantil, a pólio é uma infecção viral aguda que afeta o sistema nervoso. No início, os doentes apresentam sintomas como dor de cabeça, febre, náusea, dores pelo corpo e espasmos, podendo evoluir para a paralisia permanente de um ou mais membros. Mais da metade dos casos é registrada em crianças com menos de 5 anos, e — por sorte — apenas 1% dos infectados são afetados pela típica paralisia provocada pela doença.

Um número entre 5% e 10% dos afetados apresenta os sintomas descritos anteriormente, e mais de 90% não demonstra qualquer sinal da doença. Embora exista uma vacina para prevenir o contágio, uma vez que ocorra a contaminação a doença não tem cura. Embora esteja em processo de erradicação global, ainda são registrados cerca de mil casos de pólio por ano, e ela continua endêmica em alguns países da África e do sul da Ásia.

João Filho

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.