Você já ouviu falar do misterioso "Fenômeno Chupa-Chupa"?

Conheça o intrigante caso de OVNIs que atacaram habitantes da região amazônica na década de 70 com feixes de luz hostis

Apesar do nome engraçado — que provavelmente fez você pensar em alguma besteirinha —, o Fenômeno Chupa-Chupa aterrorizou bastante gente e inclusive foi publicamente investigado pela Força Aérea Brasileira. Ele se deu no final da década de 70 principalmente nos arredores de Belém e no delta do Amazonas, e envolveu o avistamento de objetos voadores não identificados que supostamente atacaram cerca de 40 pessoas com feixes de luz.
O caso foi identificado pela FAB como “Operação Prato” e, de acordo com as testemunhas — que são muitas! —, os eventos duravam de semanas a meses inteiros e ocorreram durante vários anos. Atualmente, há quem acredite que os ataques continuem acontecendo, embora hoje em dia eles sejam menos frequentes e intensos do que antigamente.
Fonte: Mega Curioso
Seres alienígenas
Segundo contam as pessoas que presenciaram os contatos, a atividade ocorria principalmente à noite. As supostas naves emitiam luzes e foram descritas como objetos de aparência cilíndrica, sendo que algumas eram circulares e outras poucas teriam o formato parecido ao de um peixe. As vítimas afirmam que o feixe tinha efeito paralisante e provocava sintomas como fraqueza, dores pelo corpo, vertigem, tremores, sonolência, queda de cabelo e rouquidão.


Outro fato curioso é que as vítimas — 70% delas mulheres — apresentavam em comum uma queimadura de primeiro grau no tórax com aproximadamente 15 centímetros. Além disso, os afetados acreditavam que durante os ataques seu sangue e energia vital eram sugados — daí o nome “Chupa-Chupa” —, e alguns dos atingidos chegaram a morrer alguns meses depois dos contatos.

Uma das testemunhas contou que foi atacada enquanto dormia em uma rede. Ela teria sido acordada por um feixe de luz verde que passou para a cor vermelha, o qual teria sido disparado por um homem empunhando uma espécie de pistola e vestido com roupa de mergulho. O ser teria atirado contra o peito da vítima três vezes e, segundo ela, a sensação era a mesma de ser atingida por agulhas. Além de ficar paralisada, ela se lembra de ter sentido muita sede.
Relatos de peso

A médica da comunidade — Dra. Wellaide Cecim Carvalho — atendeu muitas das vítimas e contou que chegou a enviar diversos relatórios para a Secretaria Executiva de Saúde informando sobre o caso. Segundo ela, as queimaduras apresentadas pelos atingidos pareciam sofrer necrose instantaneamente, uma característica incomum, já que esses ferimentos normalmente passam por esse processo 96 horas após serem provocados.
Além disso, Dra. Wellaide afirmou que as vítimas apresentavam pequenos machucados nos braços pelos quais se acreditava que o sangue era supostamente sugado, e diagnosticou que muitas apresentavam níveis de hemoglobina reduzidos. A médica afirmou ainda que foi instruída a não revelar que algo muito estranho estava ocorrendo na região, sendo forçada pelas autoridades a convencer as vítimas de que elas sofriam de um quadro de alucinação coletiva.

Até hoje a Força Aérea Brasileira não reconhece o Fenômeno Chupa-Chupa como um evento associado a seres extraterrestres, provocando a indignação das testemunhas e demais envolvidos, que insistem que o caso não estava relacionado com humanos. Abaixo você pode conferir um episódio apresentado pelo History sobre a Operação Prato, repleta de relatos, detalhes e dramatizações sobre este intrigante caso:

João Filho

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.