Confira 6 dos documentos mais intrigantes da história da Igreja Católica

Eles pertencem aos Arquivos Secretos do Vaticano e ficaram em exibição em Roma no ano de 2011
Fonte: Mega Curioso
Em 2011, uma exibição inédita ocupou o Capitólio de Roma, levando aos olhos do público geral cerca de 100 documentos dos Arquivos Secretos do Vaticano.
Peças de valor inestimável, que contam um pouco da história envolvendo a Igreja Católica, estavam entre as raridades. Muitos delas datadas de até mil anos. Confira abaixo alguns dos destaques:

6 – Uma carta da Rainha Mary da Escócia


Um dos documentos em exibição é a carta que a Rainha Mary da Escócia mandou para o Papa Sisto V, em novembro de 1586. Na carta, escrita em francês no Castelo de Fotheringhay, em Northamptonshire, Mary implorava pela sua vida e pedia perdão pelos seus pecados.
No registro, ela ainda professa a sua lealdade ao “universal” da Igreja Católica de Roma, se defendendo contra as mentiras perpetuadas por seus inimigos na Inglaterra. Ela também contava sobre o sofrimento que passou por 20 anos de cárcere sob as leis de sua prima, Elizabeth I da Inglaterra, a quem havia, a princípio, pedido proteção após sair da Escócia.
A carta foi escrita três meses antes de sua execução por um suposto envolvimento em conspirações para assassinar a Rainha Elizabeth I. Ela alegou que o tribunal que a condenou à morte era ilegítimo e herético.

5 – Documentos do julgamento dos Cavaleiros Templários


Escrita em tinta preta em um pergaminho amarelado, o documento oficial de justiça revela detalhes do julgamento da ordem dos Cavaleiros Templários, que era suspeita de heresia no século 14.
A ordem de guerreiros cristãos foi perseguida pelo rei Filipe IV da França, que tinha desconfianças do poder e riqueza dos Templários. Papa Clemente V iniciou um inquérito e muitos cavaleiros foram enviados para julgamento. No entanto, alguns foram posteriormente perdoados pelo papa.
O nome completo da ordem era “Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão", e ela foi fundada por um cavaleiro francês na época das Cruzadas, por volta do século XI, com o propósito original de proteger os cristãos que voltaram a fazer a peregrinação a Jerusalém após a sua conquista.

4 – Uma carta de uma tribo indígena canadense


Um dos documentos mais intrigantes é uma carta escrita em casca de bétula em 1887 pela tribo Ojibwe dos nativos canadenses de Grassy Lake, Ontário, para o Papa Leão XIII.
A carta foi escrita em maio daquele ano, mas traz informações de que foi produdiza "onde há muita grama, no mês das flores" e aborda o papa como "o grande mestre da oração, aquele que ocupa o lugar de Jesus". O registro foi escrito no dialeto Ojibwe e teve uma tradução feita em francês por um missionário católico. A carta agradece a Deus e ao Papa pelo envio de um bispo para trabalhar entre os Ojibwe.

3 – O pedido de anulação de Henrique VIII


Um dos documentos mais elaborados é uma carta em pergaminho, adornada com mais de 80 selos vermelhos, que os colegas ingleses do Papa Clemente VII escreveram para pedir a anulação do casamento de Henrique VIII com Catarina de Aragão.
No entanto, o Papa recusou o pedido, o que levou ao nascimento da Igreja da Inglaterra, que concedeu a anulação. O manuscrito só foi descoberto em 1926 e estava escondido debaixo de uma cadeira em uma das muitas câmaras dos Arquivos do Vaticano.

2 – Documentos do julgamento de Galileu


Outro item valiosíssimo e importante dos Arquivos Secretos do Vaticano é um documento sobre o julgamento do astrônomo italiano Galileu Galilei, que foi condenado pela Inquisição por afirmar que a Terra girava em torno do Sol. A afirmação de Galileu foi considerada uma grave heresia pela Igreja Católica do século 17.
O mais impressionante é que um dos documentos tem a assinatura do astrônomo. Galileu, que viveu de 1564 a 1642, passou os últimos nove anos de sua vida em prisão domiciliar. Ele evitou ser queimado na fogueira ao concordar em retratar sua visão de que o Sol, e não a Terra, era o centro do universo. Ainda assim, o Vaticano proibiu seus livros. A Igreja Católica só admitiu formalmente o seu erro em condenar Galileu em 1992.

1 – Carta de uma imperatriz chinesa


Um dos poucos documentos da Ásia é uma carta escrita em 1650 por uma imperatriz chinesa, que prometeu sua lealdade ao catolicismo depois de ter sido convertida por padres jesuítas.
A carta, enrolada em um tubo de bambu com a imagem de um dragão, foi enviada ao Papa Inocêncio X pela Imperatriz Wang, que adotou o nome cristão de Helena. Ela deu ao seu filho, Yongli, o nome de Constantino, depois de o imperador romano de mesmo nome adotar o Cristianismo.

João Filho

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.