Okiku: o mistério da Boneca-Viva

Kikuko tinha três anos de idade, quando adoeceu gravemente. Seu irmão visitava a cidade de Sapporo, Hokkaido (ilha ao norte do Japão) quando viu uma boneca e a comprou para Kikuko. A pequena adorou a boneca e não mais separou-se dela, nem por um momento. Porém a doença agravou-se e Kikuko faleceu.É costume no dia da cremação do corpo colocar os objetos que a pessoa mais gostava dentro do caixão a ser cremado junto com o corpo. Na ocasião porém, a família no auge da dor da separação, esqueceu-se de colocar a boneca junto à menina. Após a cremação, a boneca que recebeu o nome Okiku, foi colocada no oratório, ao lado das cinzas da criança, onde a família fazia as orações.Na década de 40 veio a Segunda Guerra Mundial, e a família teve de fugir para o interior, deixando a boneca com os sacerdotes do templo Mannenji, que a guardaram juntamente com as cinzas de Kikuko. Após o fim da guerra, a família voltou para a cidade, procurando pelos seus pertences no templo, onde perceberam com espanto que os cabelos da boneca cresceram. A pedido do irmão da menina, a boneca continuou no templo A imprensa mostrou o fenômeno, o que chamou a atenção de pesquisadores para que fosse dada uma explicação científica para o caso, o que até hoje não aconteceu. O templo que fica em Hokkaido é visitado por turistas e curiosos que querem ver a fantástica transformação da boneca. Há controvérsias, mas dizem que as transformações são visíveis: o cabelo antes na altura dos ombros, agora chega à cintura. Os lábios antes cerrados, estão entreabertos e úmidos, e seus olhos parecem olhar para as pessoas com expressões de quem tem vida. Os japoneses levam muito a sério a vida após a morte e para eles que reverenciam deuses e objetos, tudo é dotado de espírito e precisa ser queimado quando não é mais usado, em sinal de agradecimento e para que descansem em paz após serviços prestados.

João Filho

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.