Lembre casos de loteria que foram parar na policia

Em Bandeirantes (MS), um gerente de banco aposentado teria contratado dois pistoleiros para matar o próprio filho, um vidraceiro que virou pecuarista após acertar na Mega-Sena. Ele foi preso em 2010, mas não foi o primeiro - nem o último - caso em que o prêmio milionário da principal loteria brasileira trouxe dissabores ou tragédia para o dono do bilhete. Conheça alguns episódios em que ganhar na loteria levou à morte, cadeia ou infindáveis disputas judiciais:irou pecuarista após acertar na Mega-Sena. Ele foi preso em 2010, mas não foi o primeiro - nem o último - caso em que o prêmio milionário da principal loteria brasileira trouxe dissabores ou tragédia para o dono do bilhete. Conheça alguns episódios em que ganhar na loteria levou à morte, cadeia ou infindáveis disputas judiciais:
Fonte: Terra

1 - Milionário executado a tiros no Rio

René Senna ganhou sozinho R$ 51,8 milhões da Mega-Sena em 2005. De origem humilde,ele perdera as pernas vítima de diabetes, mas sua sorte parecia ter mudado de posse do bilhete premiado. No entanto, no dia 7 de janeiro de 2007, foi morto com quatro tiros na cabeça em um bar em Rio Bonito (RJ) enquanto tomava cerveja com amigos. Seis pessoas foram denunciadas à Justiça pelo crime, entre elas a viúva do milionário, Adriana Ferreira Almeida. A denúncia a acusava de planejar a morte depois que a filha de Senna, Renata, o teria alertado sobre gastos desenfreados dela e sugerido interdição.
Em 9 de julho de 2009, o ex-PM Anderson Silva de Souza e o motorista Ednei Gonçalves Pereira foram condenados a 18 anos de prisão. Mais de dois anos depois, em 3 de dezembro de 2011, a Justiça absolveu os demais acusados: os ex-pms Ronaldo Amaral (China), Marco Antono Vicente e a professora de educação física Janaina Oliveira, além da viúva. A decisão abriu caminho para que o testamento de Senna seja cumprido, com a filha e a viúva recebendo metade do dinheiro cada.

2 - Bilhete da discórdia em SC

O que seria um simples favor entre patrão e empregado se transformou em uma longa disputa judicial em Joaçaba (SC). Em 1º de setembro de 2007, a Mega-Sena premiou com R$ 54 milhões dois bilhetes de diferentes regiões do País. Um deles foi resgatado em Santa Catarina por Altamir Igreja, que apresentou o volante que lhe dava direito a R$ 27 milhões. Na mesma semana, Flávio Júnior Biass, funcionário da serralheria mantida por Igreja, reclamou o prêmio sob alegação de ter fornecido os números e o dinheiro para a confecção da aposta.

Biassi alega que foi à lotérica fazer o jogo quando voltava do trabalho com o patrão. Como não havia local para estacionar, o chefe o deixou em casa, mas ficou com R$ 1,50 e os números da aposta que venceu o concurso 898. Igreja nega e afirma que escolheu os números a partir de uma combinação de idades e datas de nascimento de familiares. Em 2 de julho de 2009, a 4ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) decidiu pela divisão do prêmio. Ainda cabe recurso.

3 - Vencedor morre em assalto em SP

Altair Aparecido dos Santos, 43 anos, fazia um churrasco em sua chácara em Limeira, no interior de São Paulo, quando o local foi invadido por um foragido do sistema prisional em 16 de novembro de 2008. O homem, identificado como Diego Sebastião dos Santos, anunciou o assalto, mas o dono do local reagiu e tentou atacá-lo com uma vassoura. O suspeito confessou à polícia que, assustado, atirou em Altair. Ele morreu atingido no peito. O que Santos não sabia é que tentara assaltar um milionário vencedor da Mega-Sena.

Altair foi um dos ganhadores de um prêmio de R$ 16 milhões em maio de 2007. Na ocasião, ele e outros 15 amigos fizeram um bolão e levaram o prêmio. Dois homens que participavam desse bolão, mas não pagaram a aposta do bilhete premiado, ficaram fora da divisão. Um deles chegou a ser apontado pela família como suspeito, mas a hipótese foi descartada pela polícia. Santos, que havia fugido do Presídio Ataliba Nogueira, em Hortolândia, chorou ao ser preso e pediu perdão pelo crime. Ele cumpria 13 anos de prisão por roubo e assalto, mas fugiu no terceiro ano da pena.

4 - Bolão milionário vira pesadelo no RS

O sorteio de nº 1.155 da Mega-Sena, realizado em 20 de fevereiro de 2010, fez pelo menos 35 pessoas dormirem acreditando estar milionárias e acordar em meio a um verdadeiro pesadelo. Todos eles registraram na polícia terem comprado cotas do bolão oferecido pela lotérica Esquina da Sorte, de Novo Hamburgo (RS), e acertado as seis dezenas premiadas no concurso que, segundo a Caixa Econômica Federal, não teve vencedores e acumulou, na época, em R$ 61 milhões. Os apostadores receberam da lotérica um papel impresso com os números supostamente apostados e em um desses jogos constavam os premiados (20 - 28 - 40 - 41 - 51 - 58).

Diane Samar da Silva, 21 anos, funcionária da Esquina da Sorte, confessou à polícia ter se esquecido de registrar a aposta da Mega-Sena que seria premiada. Ela e o dono da lotérica foram indiciados por crime de estelionato. De acordo com a polícia, três apostas não foram registradas, o que caracterizou má-fé da lotérica no incidente

5 - Crime em família por R$ 12 mi no MS

A prisão de dois homens por porte de armas levou a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul a descobrir que um gerente de banco aposentado de 60 anos planejava matar o próprio filho pela disputa de R$ 12 milhões. O homem e seu filho caçula foram presos em 27 de maio de 2010 acusados de contratar os dois pistoleiros para executar o milionário em um fim de semana. O pecuarista afirma que recebeu R$ 28 milhões em 2006 ao acertar os números sorteados na loteria da Caixa e que depositou o dinheiro na conta do pai. Um ano depois, ele tentou retirar o dinheiro, mas o aposentado não concordou. Desde então, a família disputa na Justiça a posse de R$ 12 milhões, que estão bloqueados, e propriedades compradas com o dinheiro do prêmio.

O aposentado e seu filho mais novo negam as acusações. Os dois e mais quatro pessoas foram indiciadas no caso por formação de quadrilha. O pai do milionário foi solto após obter alvará.

6 - Bilhete de prêmio recorde teria sido trocado no RS

O até então maior prêmio individual da história da Mega-Sena pagou R$ 119 milhões, em outubro de 2010, a um empresário de 66 anos de São José do Herval (RS). Mas a bolada virou investigação policial quando funcionários da prefeitura da vizinha Fontoura Xavier registraram que o bilhete premiado fazia parte de um bolão realizado por eles e havia sido subtraído do grupo de 19 apostas.

Segundo os 11 apostadores do suposto bolão, o responsável pela aposta coletiva ofereceu o bilhete premiado a um amigo para evitar a divisão do dinheiro com mais 10 pessoas. O cartão teria sido então substituído por uma aposta feita para um sorteio anterior da Mega e misturado aos demais bilhetes da aposta coletiva. Após perícia nos comprovantes do bolão, a polícia indiciou cinco pessoas, que responderão por estelionato, falso testemunho e formação de quadrilha.

No entanto, no dia 30 de maio de 2011, a Justiça do Estado arquivou o processo, a pedido do Ministério Público, por falta de provas.

7 - Família milionária é morta e tem filho sequestrado em MT

Quatro meses após a retirada do prêmio de R$ 1,4 milhão por cinco acertos na Mega-Sena, uma família de Pontes e Lacerda (MT) desapareceu em outubro de 2010. O sumiço do casal Raimundo Nonato Ferreira de Souza, 46 anos, e Liliane Gois Saldanha, 25 anos, com o filho de quase 2 anos mobilizou a polícia por três meses, até a prisão de quatro suspeitos em janeiro de 2011. Eles estavam em poder da criança e confessaram o assassinato dos pais.

Segundo a polícia, o crime foi planejado por Raimundo da Silva, companheiro de garimpo da vítima, que sabia do prêmio na loteria federal. Com mais quatro comparsas, ele teria sequestrado o casal e os obrigado a revelar a senha da conta onde o dinheiro estava depositado. No mesmo dia, os dois teriam sido assassinados.

João Filho

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.