A história por trás do "Seu Madruga".

Ramón Goméz Valdéz y Castillo nasceu na Cidade do México em 2 de setembro de 1923. Foi um comediante de grande sucesso dentro e fora do México com variados papéis, mas ficou mais conhecido como o “Seu Madruga” no Brasil – e “Don Ramón” nos países hispânicos. Seu personagem mais famoso da série El “Chavo del Ocho”, o famoso “Chaves”, alcançou o status de ícone e ainda hoje causa grande simpatia entre crianças, adultos e adolescente.

Porém, se engana quem pensa que a carreira de Ramón começou no “Chaves”. O ator foi um verdadeiro veterano do cinema mexicano atuando em mais de 50 filmes ao longo de toda a sua carreira. Entretanto, o auge de sua carreira foi mesmo na TV com o personagem “Seu Madruga”. Por outro lado, também se destacou em “El Chapulin Colorado”, ou somente “Chapolin” na versão brasileira. Nesta série interpretou entre tantos outros os clássicos personagens como “Alma Negra”,”Tripa Seca”, este último uma paródia ao personagem “Super Sam”, ou “Tio Sam”, e o “Bandido Mata Fácil”.

Na vida privada, quem conheceu Ramón Valdéz afirma que ele tinha personalidade forte, o que o levou a ter alguns contratempos profissionais em sua carreira. Apesar de versão controversa, teria sido essa personalidade forte que o fez sair dos programas de “Chespirito” em 1979 – no auge do sucesso da série. Há rumores de que isto foi produto de divergências sobre os salários, enquanto outros afirmam que as diferenças pessoais entre colegas de trabalho foram ficando mais fortes implicando em uma separação definitiva. Em entrevista, Esteban Valdéz, filho do ator, declarou que a saída de seu pai ocorreu porque Florinda Meza, mulher de Gómez Bolaños, queria o controle total sobre o programa. Essa situação teria causado desconforto para Valdés, que preferia receber ordens apenas de Bolaños. Por outro lado, seus amigos também destacam seu bom humor divertido e a eterna atenção com seu público e fãs.

Ainda em 1979 passou a trabalhar com Carlos Villagrán (Quico), que já havia se retirado da equipe por conta de divergências com Roberto Gómez. Desta união, fizeram várias viagens para apresentar o show “Federrico”, onde Ramón interpretava Don Moncho, dono de uma loja. Em 1981, no entanto, Bolaños o convence a trabalhar novamente com ele, desta vez com o seriado Chespirito, que voltara a ser gravado.

Em 1987 volta a trabalhar com Carlos Villagrán no programa “Ah que Kiko! (“Kiko” passou a ser usado por Villagrán pelo fato de Roberto Gómez ter os direitos sobre o nome “Quico”), mas sem grande destaque já que além de pouco tempo, já que também se dedicava ao seu circo, seus problemas de saúde começaram a ser cada vez mais recorrentes. Valdéz tinha um tumor maligno no estomago que, possivelmente, se originou de outro já existente no pulmão. Tais problemas se deram muito em função de seu vício pelo cigarro, não largando o costume nem mesmo quando estava internado no Hospital Santa Lena onde permaneceu por mais de dois meses internado. No dia 9 de agosto de 1988, faleceu aos 64 anos de idade, devido a um câncer de pulmão que se espalhou pelo corpo e atingiu a sua coluna vertebral.

Mostrando um pouco de seu bom humor sarcástico, quando já estava no hospital, Carlos Villagrán teria dito “nos vemos lá em cima, no céu”, mas em resposta recebeu: “não se faça de louco, nos vemos lá embaixo, no inferno”. Já quando Edgar Vivar, ator que fazia o “Senhor Barriga”, foi visitá-lo ele prontamente disse: ”Senhor Barriga, não poderei mais lhe pagar o aluguel”.

Ramón Valdéz é considerado por muitos um dos melhores humoristas da América Latina, adquirindo status de mais famoso até do que o próprio personagem do “Chaves”. Por falar em Bolaños, segundo este, o “Seu Madruga” é até hoje o seu personagem preferido da série e melhor comediante do elenco, sendo o único que já conseguiu fazê-lo chorar de rir.

Fonte: nerdtagarela

João Filho

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.