7 Aterrorizantes Experiências Médicas



A medicina também tem seu lado oculto e cruel. Na história da humanidade, médicos, cientistas e pesquisadores já ultrapassaram os limites da ética para realizar os experimentos mais abomináveis que poderíamos imaginar.
Conheça abaixo os sete casos mais chocantes de experiências médicas dos últimos séculos.
Fonte: http://www.gospelatualidades.com
1. O caso Tuskegee


Um dos mais notórios e absurdos casos da medicina moderna aconteceu no estado do Alabama, nos Estados Unidos, na cidade de Tuskegee, onde um grupo de 399 afro-americanos com sífilis participou de um estudo sobre os efeitos da doença.
Neste caso, a análise da evolução dessa patologia significava o seu não tratamento. O Serviço de Saúde Pública informava apenas que eles tinham “sangue ruim” e omitiam o diagnóstico conhecido e o prognóstico esperado.
Esses homens, bem como outros 201 saudáveis, foram acompanhados por esse programa de 1932 até 1972, quando o estudo foi finalmente exposto ao público e imediatamente encerrado pelo governo. O grupo nunca recebeu o tratamento adequado, mesmo depois de 1947 quando a penicilina se tornou a droga principal no combate da sífilis.

2. Experimento com sífilis na Guatemala



De 1946 a 1948, o Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos com consentimento das autoridades da Guatemala conduziram um experimento para estudar os efeitos da sífilis, infectando deliberadamente prisioneiros e pacientes de um hospital psiquiátrico da Guatemala.
O objetivo era testar a resposta da doença para o tratamento com a penicilina. De acordo com dados divulgados recentemente a pedido do presidente Barack Obama, cerca de 1.300 foram expostas à sífilis e gonorreia no caso da Guatemala.
Os prisioneiros e pacientes eram infectados por inoculação direta da bactéria ou sendo obrigados a ter relações sexuais com prostitutas portadoras da doença. Entre os infectados, apenas 700 receberam o tratamento médico. O experimento levou 83 pessoas à morte.

3. O pioneirismo questionável de J. Marion Sims


J. Marion Sims é considerado um cirurgião pioneiro e o pai da ginecologia moderna. Porém, ao realizar operações de reparo de fístula vésico-vaginal em escravas possivelmente sem consentimento e sem qualquer recurso anestésico para diminuir a dor, deixou um legado questionável sobre a sua prática médica.
O cirurgião realizou mais de 30 intervenções cirúrgicas na mesma escrava, de nome Anarcha, até aperfeiçoar e técnica e solucionar de vez o problema de fístula da mulher. Naquela época, a incontinência urinária causada por uma fístula, um problema de comunicação entre os órgãos, resultava na rejeição da mulher pela sociedade.
Apenas depois de trabalhar com as escravas, Sims começou a tratar as mulheres brancas com esse problema (em geral, causado por problemas no trabalho de parto), mas dessa vez com o total consentimento das pacientes e com a devida aplicação de anestesia.


4. Os assassinatos de Burke e Hare


Aproveitando a dificuldade de médicos e cientistas conseguirem corpos para o estudo da anatomia no século XIX, os imigrantes irlandeses William Burke e William Hare encontraram sua própria maneira de fornecer material ao cirurgião Robert Knox, em Edimburgo, na Escócia.
Entre os anos de 1827 e 1828, os dois amigos venderam corpos de 16 vítimas para o médico utilizar nos seus estudos. Knox não desconfiou, ou pelo menos não se importou, que os corpos entregues pela dupla eram bastante frescos. O caso, porém, acabou com a reputação do médico quando os assassinatos vieram à tona.
Burke e Hare utilizavam a prática de sufocamento de suas vítimas como forma de preservar os corpos para dissecação e não produzir marcas de violência. A técnica da dupla gerou a expressão em inglês “burking” para designar o sufocamento silencioso de algo ou alguém.

5. O “Estudo Monstro” de Wendell Johnson


Em 1939, pesquisadores da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, realizaram um experimento em órfãos para provar a hipótese de que a gagueira era resultado da ansiedade das crianças quanto à fala. Vinte e duas crianças participaram do programa no qual recebiam críticas sobre suas ansiedades e eram coagidas a permanecerem quietas caso não tivessem certeza de que poderiam falar sem gaguejar.
A experiência não induziu a gagueira, mas as crianças que receberam a terapia negativa no estudo sofreram com efeitos psicológicos, de insegurança, ansiedade e isolamento, além de apresentar outros problemas de fala que não a gagueira ao longo da vida.
Mary Tudor, encarregada por Wendell Johnson para lidar com as crianças, diz se arrepender de ter participado do programa e reconheceu o mal que o “Estudo Monstro” gerou naquelas crianças.

6. A Unidade 731


Entre os anos de 1930 e 1940, o Exército Imperial Japonês conduziu uma unidade secreta de experimentos com seres humanos, em grande parte na China, como parte de suas práticas de guerra. E para isso, utilizou até um programa de fachada para ocultar as atividades, criando o Departamento de Purificação da Água e Prevenção de Epidemias.
Entre as mais terríveis atrocidades cometidas pelo exército japonês, havia testes de resistência física dos mais variados que tentavam avaliar as condições para levar alguém à morte. Presos eram pendurados de cabeça para baixo, infectados com doenças e colocados em câmaras de gás até seus olhos estourarem. Os alvos eram criminosos comuns, guerrilheiros inimigos e prisioneiros políticos, e estima-se que cerca de 200 mil pessoas possam ter morrido nas mãos da Unidade.

7. Experimentos nazistas


Entre os crimes mais abomináveis e cruéis que já se teve conhecimento na história da humanidade, a prática nazista de realizar experimentos em prisioneiros em nome de uma raça superior ariana é certamente uma das mais horrorosas em termos médicos e humanos.
Os nazistas submetiam seus prisioneiros a doenças para testar tratamentos e se preparem para uma guerra química. Eles também praticaram procedimentos de esterilização experimental, além de colocarem os presos em ambientes de condições extremas para verificar o comportamento do corpo. Isso sem falar do extermínio em massa por câmaras de gás e outras atrocidades cometidas pelos nazistas.
Muitos médicos envolvidos com os experimentos nazistas foram condenados como criminosos de guerra. Josef Mengele, um dos principais oficiais do campo de Bikernau, fugiu para a América do Sul e morreu no Brasil em 1979.

João Filho

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário